Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Só quem anda nos transportes públicos, me compreende! #20

Mais uma história bonita.

Quem utiliza o Metro de Lisboa conhece bem a ‘praga’ dos pedintes de esmola.

Às vezes, quando me apetece, dou esmola, mas tenho por princípio NUNCA dar esmola aqueles que aparecem com os acordeões, com o cãozinho sentado no ombro. Durante muito tempo eram utilizadas as crianças ao colo (sempre a dormir… como é que crianças tão pequenas passavam tantas horas a dormir?), agora são os cachorros, sentados no ombro do acordeonista com o copo preso na boca, horas a fio… Fico completamente passada. Só me apetece dar um par de tabefes naquelas criaturas e tirar-lhes o cão.

Há dias, logo pela manhã, entrou um pedinte na minha carruagem do Metro. Estava atrás do meu banco, por isso não o consegui ver logo, sou o ouvi: ‘bom dia, peço a vossa ajuda, vivemos os DOIS na rua, alguma ajuda para comermos [os dois]’

Pensei que se estava a referir a outra pessoa, companheiro ou companheira de infortúnio. Passou por mim e vejo que trás uma cadela pela trela. Uma cadela preta, enorme… linda.

Não pedia só para ele, pedia para os dois.

Dei-lhe uma esmola… mas fiquei a pensar, ‘deste-lhe dinheiro e, vai na volta, não é melhor que os acordeonistas…se calhar está também a usar o bicho para obter mais fundos’.

Depois assisti à mais linda das cenas: chegou ao fim da carruagem e o metro ainda não tinha chegado à paragem seguinte. Ficou ali de pé junto às portas. A cadela sentou de frente para ele com o olhar mais terno, mais doce que um animal pode dar ao seu dono. Um homem sujo, com um cabelo todo desgrenhado, quase sem dentes, mas pelo seu comportamento, viu-se que para aquele animal era o seu maior amigo, o seu companheiro.

Viu-se que estava a pedir festas. O homem baixou-se… ficou de joelhos, fez-lhe festas no pescoço e cocegas atrás das orelhas… disse-lhe um miminho qualquer e a bichinha esticou-se toda para lhe agradecer com uma lambidela na cara.

Todos os que estavam sentados nos bancos perto daquelas portas ficaram embevecidos a olhar para cena, com sorrisos…

Caramba! Quando uma pessoa fica reduzida à indigência, mas mesmo assim, consegue preocupar-se com o bem-estar de um animal, merece a nossa ajuda, não é?

Dei-lhe esmola e, já decidi, se o voltar a ver dar-lhe-ei esmola outra vez.

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Facebook

Follow

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D