Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Seres vivos importantes para mim: Sr. Meu Pai e Sra. Minha Mãe

Lembro-me de ouvir o meu pai dizer que não se lembrava de ter tido dias felizes na sua infância. Só soube o que isso era, quando começou a trabalhar e a ser mais autónomo, a partir dos 14 anos.

A minha mãe era uma menina quando deixou a sua aldeia em Viseu e veio para Lisboa servir (como tantas outras meninas naquela altura!). Com 13 anos foi-lhe atribuida a responsabilidade de manter limpa e organizada uma casa com um sem número de quartos e salas e escritório e casas de banho.

A minha mãe foi madrinha de guerra do meu pai. Segundo consta nos relatos familiares, quando o meu pai viu uma fotografia da minha mãe ficou pelo beicinho e quis logo corresponder-se com ela. Acho que a minha mãe ainda guarda as cartas que recebeu do meu pai.

Quando no hospital a médica me disse “o Sr. Paulo faleceu”, era o meu pai que estava comigo. A médica disse-me que podia ficar mais um pouco naquela sala para me recompor, mas o meu pai agarrou-me firmemente pelo braço e, literalmente, arrastou-me para a rua: “Anda, vamos para casa, está lá a mãe.” Acho que foi o instinto protetor que falou mais alto. Não havia nada a fazer ali e só queria levar-me para ‘o ninho’.

O meu pai é portista ferrenho, o Paulo era benfiquista até à medula. Há uns tempos, já depois do Paulo ter partido, o Porto jogou contra uma equipa alemã e levou uma goleada muito feia. No dia seguinte estive em casa dos meus pais:

Pai: Ai Rita, cada vez que os alemães marcavam um golo só me lembrava ‘ai o meu genro ia gostar tanto de ver isto’. Se ele estivesse agora aqui contigo estava moer-me o juízo ‘então quer um alka seltzerzinho, ajuda muito na digestão’!

Dois dias antes de morrer o meu Paulo pediu há minha mãe para lhe arranjar a casa do botão de uns calções que ele adorava (metiam dó de tão velhos e gastos, mas ele não os largava por nada). Não se voltaram a ver. Já depois do funeral a minha mãe fez questão de os arranjar, lavar e passar a ferro:

Mãe: Foi a última coisa que ele me pediu e eu disse-lhe que fazia!

Não sei o que teria sido de mim sem os meus pais, neste último ano e meio.

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Facebook

Follow

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D