Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Os novos passes da área metropolitana de Lisboa

Poupei 22€/mês. Não fui das mais beneficiadas, conheço utilizadores dos transportes públicos de Lisboa com poupanças perto dos 100€/mês. Para mim, mais do que a poupança, o que eu gosto mais neste novo sistema é a liberdade que dá ao utilizador.

Até março comprava um passe por cerca de 62€ que me obrigada a utilizar sempre o mesmo trajeto: autocarro tcb / barco Soflusa / metro ou autocarro Carris. Não podia fugir disto! Se houvesse uma greve dos barcos, podia ir no comboio da ponte, mas tinha que comprar os respetivos bilhetes.

Por isso, mesmo que se chegue à conclusão que os 40€ cobrados aos passageiros não chegam para cobrir a despesa, mesmo que cheguem à conclusão que é preciso pagar… sei lá… 50€, peço que nunca mais acabem com este sistema do passe único para todas as operadoras, porque é a única forma das pessoas terem alternativas nas suas deslocações.

Agora o reverso da medalha!

Se até março me era apenas permitido fazer um trajeto entre a minha casa e o trabalho, agora tenho TRÊS hipóteses. As outras duas hipóteses eram mais confortáveis, mas ficavam a perder porque eram muito mais caras do que os tais 62€… mas agora o preço é único… o conforto deixou de ter um preço a condizer.

Estou a utilizar um autocarro TST que vou apanhar ao Vale da Amoreira (é na Moita, mas muito encostadinho ao Barreiro), que me traz direta à Gare do Oriente. Entro na primeira paragem e saio na última… 50 minutos sentada a passar pelas brasas, na paz do senhor.

Não sou mais inteligente do que ninguém… houve mais pessoas a pensar da mesma maneira.

Resultado… o autocarro quando chega ao centro da Moita já não entra ninguém. Está uma final com umas 15 ou 20 pessoas e o motorista abre a porta e diz ‘só tenho dois lugares…’ e ainda tem que fazer Chão Duro e Sarilhos Grandes até entrar no acesso à Ponte Vasco da Gama. Uma sucessão de paragens com pessoas que ficam a olhar para o autocarro que passa.

Tem sido assim a semana toda. E as pessoas refilam com quem? Com o motorista... pois claro!

...

Eu compreendo que estamos numa fase de habituação. Compreendo que, com este novo sistema, seja mais confuso para quem gere empresas de transportes públicos. Afinal deixam de perceber quantos passes vendem e com isso deixam de ter a possibilidade de antecipar a quantidade de passageiros, mas…

Não seria de prever que ia ser assim? Não seria de prever que os passageiros iam começar a preferir os trajetos com menos transbordos? Não seria de prever que as carreiras que vêm da periferia diretas às grandes Gares de Lisboa, seriam as mais procuradas?

Oh senhores da TST… vocês que vivem há décadas de GERIR TRANSPORTES PÚBLICOS, não seria de prever tudo isto?

Que tal ajustar os horários da carreira 333 e, além das carreiras que começam no Vale da Amoreira, ter uma ou duas carreiras, por exempolo às 7:45 e às 8:15… a começar no centro da Moita?

Já nem vou falar na falta de ar condicionado… infelizmente esse mal é comum a todas as empresas de transportes públicos…

14 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Facebook

Follow

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D