Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

'Não gosto do Natal!'

Já ouvi esta frase muitas vezes.

Pessoas que fazem questão de dizer que não gostam do Natal ou que o Natal não lhes diz nada, porque perderam pessoas pelo caminho e com elas foi a sua alegria.

Há dias falava com uma colega sobre isto.

Dizia-me que, de há uns anos para cá, o Natal deixou de fazer sentido, precisamente porque faltavam-lhe pessoas à mesa.

Fiquei a pensar naquelas palavras e... confesso que não consigo entender.

 

Já aqui vos disse que, neste longo processo de fazer o meu luto, tive sempre uma permissa na qual acreditei e acredito profundamente: quem morre deixa-nos a maior das responsabilidades - continuar a viver.

O meu Paulo adorava o Natal. Era a sua festa. Principalmente nos anos em que calhava a Consodada ser na nossa casa.

Fazia questão de pôr a mesa. Chegava a estar duas horas só a pôr a mesa e velas acessas pela casa toda. Vibrava com a hora de abrir as prendas, gostava de ver a reação dos outros. Era sempre o último a abrir as prendas, só no fim, depois de ver os outros.

O primeiro Natal depois da morte do meu Paulo, não estava neste planeta. No Natal de 2015 fomos para casa de alguém, já não me lembro. 

O ano passado, pela primeira vez, tomei coragem e pedi à minha família para fazermos a Consoada na minha casa.

Adorei ter a casa cheia, tirar a minha loiça toda dos armários. Adorei voltar a ter VIDA na minha casa. Senti verdadeiramente que o meu Paulo havia de estar feliz por ver a casa cheia. Gostei tanto que este ano perguntei se queriam repetir.

 

- E não te custa, Rita?

Claro que custa. Custa sempre. Haverá sempre uma lágrima mais forte que vai teimar em rolar, nem que seja às escondidas.

Mas é aqui que entra aquela minha permissa: continuar a viver.

Vou consolar-me no facto de saber que todas as pessoas que se vão sentar na minha mesa, na minha casa, naquela noite, nem que seja só por um segundo, vão lembrar-se que falta ali uma pessoa, vão lembrar-se do meu Paulo.

Vou consolar-me com um ou outro momento que surja na conversa, onde se comentem peripécias ou gestos ou expressões do meu Paulo... e vão ouvir-se gargalhadas...

 

Cada pessoa é como é. Cada pessoa tem a sua forma de encarar o que lhe vai acontecendo na vida. Respeito isso.

Eu prefiro encarar desta maneira. É preciso nunca esquecer que temos os nossos pequeninos, que têm todo o direito de criar memórias felizes dos seus Natais de infância.

Se não fosse assim, pensem lá: se quem morre não celebra, se quem fica não celebra, porque quem morre não está cá... então não andamos cá a fazer nada, não é?

Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Facebook

Follow

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D