Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Lá se vai a igualdade!

Na sexta-feira fomos as três (eu, Mana Querida e Sobrinha Mai’Linda) passear a Lisboa. Decidimos passar a manhã do feriado, ali pela Baixa e visitar alguns museus: fomos ao Lisbon Story Center e ao Museu do Dinheiro.

Depois conto-vos como foi. Agora queria contar-vos o que ouvi na viagem de barco, no regresso a casa. Ao meu lado estava sentada uma senhora que ia na conversa com as pessoas que estavam sentadas atrás dela, como não sou surda… ouvi a conversa. Resumidamente, ouvi frases como:

“… trabalhava na … fazia as limpezas… era uma vida santa… hora certa para entrar e sair… até dava para passar pelas brasas a seguir ao almoço…”

“… conheci o meu marido no culto… o meu marido não queria que continuasse a trabalhar… prefere que esteja dedicada aos filhos e à casa…”

“… todos lá do trabalho foram ao meu casamento… recebi prendas tão bonitas e bom dinheiro… até uma caixa em ouro eu recebi…”

“… entreguei tudo ao meu marido… para ele administrar…”

Cruzei-me com ela à saída do barco. Ia de mão dada com um dos filhos. Parecia feliz.

Isto faz-me tanta confusão…

Como é que, por um lado, temos campanhas de sensibilização para a igualdade de género, para a igualdade laboral e dos direitos e deveres da parentalidade e, por outro, ao abrigo de outro princípio que considero fundamental numa democracia, a liberdade religiosa, deixamos que se instalem no nosso país, cultos que pregam a subalternização da mulher face ao homem…

Aquela mulher pareceu-me feliz… talvez esteja realmente satisfeita com a escolha (?) que fez, embora não tenha deixado de notar uma certa tristeza no tom de voz quando disse “o meu marido não queria que continuasse a trabalhar…”

Não consigo deixar de pensar que este casal tem ou poderá vir a ter filhas… que serão educadas na mesma filosofia.

Quando penso que este tipo de cultos estão a nascer como cogumelos, em cada esquina das nossas cidades… será que todas elas pregam o mesmo, que o lugar da mulher é em casa a tratar dos filhos e sem poder para tomar decisões quanto aos rendimentos do casal?

Quando vemos aquelas reportagens sobre raparigas ciganas que são retiradas da escola pela família, porque o seu futuro é casar e ter filhos… será que, num futuro muito próximo, já não serão só as raparigas ciganas? Meninas a quem é dito que só precisam fazer a escolaridade obrigatória, porque é obrigatória, mas mais que isso não é preciso porque o lugar delas é em casa a tratar dos filhos?

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Facebook

Follow

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D