Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Eu sei que vou levar muito na cabeça...

Mas vou dizer o penso... mesmo assim...

Sobre a senhora que quer ter um filho do marido que morreu. Não vi as reportagens... só sei o que fui lendo na diagonal nas redes sociais.

A minha opinião?

É não.

Desculpem, mas não consigo entender… simplesmente não consigo!

De repente vivemos numa sociedade em que tudo é normal!

Estamos a abrir demasiadas portas. O Cristiano quer ter filhos e como tem dinheiro, manda fazer no estrangeiro? É normal. Uma mulher sente-se só, vai a Espanha injetar-se com esperma de um doador? É normal. Quero ter um filho do meu marido, que já morreu… é normal!

E se fosse ela que tivesse morrido e deixado óvulos congelados… tínhamos uma petição para ele poder fecundar os óvulos e ter o direito a depositá-los numa barriga de aluguer? O que também seria normal… afinal é uma linda história de amor e ele também teria todo o direito a querer ter um filho dela, mesmo com ela morta... ou não?

Por muito que seja uma linda história de amor… o Estado não legisla para lindas histórias de amor, nem para casos específicos. O Estado legisla de forma geral, abrangente. Se a petição resultar numa alteração da lei em vigor, conseguem alcançar a porta que se pode estar a abrir… vamos ter o quê? Os casais a congelar semen e óvulos... não vá um deles morrer? Ou as expectativas dos casais que estão em processo de tratamento para a infertilidade são muito superiores às expectativas dos casais que também têm lindas histórias de amor, mas estão à espera do momento certo para engravidar ('este verão começamos a tentar...')?

E não me venham com a história que ela pode engravidar de um doador anónimo morto. As pessoas que recorrem a bancos de esperma procuram o anonimato e a garantia de que essa pessoa nunca vai aparecer ou ser encontrada. Se não fosse o anonimato simplesmente não existiam bancos de esperma, nem bancos de sangue, nem transplante de órgãos. As mulheres e homens que recorrem a bancos de esperma querem um progenitor que seja impossível de identificar… PONTO. Nenhum doador de esperma corre o risco de ter ‘filhos’ a bater-lhe à porta, ou à porta dos seus herdeiros.

Se há coisa que a minha viuvez me ensinou é que a morte é… DEFINITIVA.

Dói. Dói muito. Dias em que achei que ia enlouquecer. Dias de chorar ao ponto de não ter ar… agarrei-me a tanta coisa com medo de o deixar partir... peças de roupa encaixotada no roupeiro, a sua escova dos dentes no copo, o maço de tabaco que estava a fumar no parapeito da janela... mais de um ano...

Fica sempre muita coisa por dizer, por fazer, sonhos por concretizar, tanta vida por viver…

O luto da pessoa que se ama é uma luta titânica, mas não há volta a dar… temos que deixar partir os nossos mortos... quem fica tem que agarrar no que sobra, arranjar uma forma de lidar com a dor, sarar as feridas que ficam no peito e…

‘a vida continua’… continua sempre…

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Facebook

Follow

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D