Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Acabadinho de ler!

feminina.jpg

A Persuasão Feminina / Meg Wolitzer

Outra vez a Meg. Desta vez conta-nos a história de Greer, uma jovem brilhante e muito inteligente e do seu namorado Cory.

Greer nasceu numa família destruturada. Os pais são muito pouco vocacionados para a parentalidade e Greer, desde muito cedo, teve que aprender a ‘desenrascar-se’ sozinha. Cory é filho de imigrantes portugueses (o seu nome é Duarte, como o pai, nome que rejeita por achar que não é suficientemente integrador), cresceu num seio familiar diferente, mais protetor, rodeado de pais que trabalham para dar o melhor aos filhos.

Ambos são excelentes alunos e ambos têm o sonho de frequentar uma daquelas universidades americanas, chamadas de 1ª linha (Yale, Princeton, Stanford…). Ambos são admitidos em Yale, mas a tal falta de vocação para a parentalidade dos pais de Greer, traduz-se na sua incapacidade para preencher os documentos certos e Greer fica sem bolsa de estudo. Cory segue para Yale e Greer acaba por ter que se contentar com uma Universidade de 2ª linha. Já a frequentar a universidade, Greer assiste a uma palestra de Faith Frank, uma das figuras centrais na luta pelos direitos das mulheres, na América, que vai ser determinante no desenrolar do seu futuro.

Este livro é muito parecido com outro da mesma autora, de que já vos falei aqui – Os Interessantes - noa medida em que nos fala novamente nos sonhos e nos idealismos da juventude e na forma como a vida nos pode desviar de percursos já definidos.

Fala-nos muito na condição feminina um pouco por todo o mundo. A forma como o nosso local de nascimento e as nossas famílias podem condicionar todo o nosso desenvolvimento e as oportunidades que nos são colocadas. O feminismo é abordado nas suas várias vertentes, a dignidade pessoal (assédio, sexismo), a benevolência com que ideias feministas são tratadas pelas grandes empresas, a desigualdade de género originada pela pobreza, classe social ou cultural.

Temos Faith que, ao contrário do irmão, não foi para a universidade que queria porque os pais entenderam que as meninas não deviam sair de casa tão cedo. A amiga de Faith que quase morreu num aborto clandestino e, mesmo assim, passou a lutar ferverosamente… contra o aborto. A amiga de Greer, Zee, homossexual assumida desde muito cedo na vida… criada por pais juízes conservadores. Cory que, sendo homem, teve um comportamento por muitos considerado feminino, quando deixou para trás um futuro brilhante na alta finança, para cuidar da sua mãe.

É um livro que nos obriga a pensar… a mim fez-me pensar sobretudo na forma como os grandes ideais de defesa de direitos, neste caso das mulheres, mas pode ser de todo o tipo de direitos fundamentais, são tantas vezes desvirtuados em favor de princípios e interesses tão pouco nobres.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Facebook

Follow

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D