Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Estão a ver aquelas imagens dos comboios na Índia...

... carregadinhos de pessoas por todo o lado?

Com braços e pernas e cabeças a sair pelas janelas e pessoas sentadas no tejadilho?

Estão a ver?

...

Estão a ver o Metro de Lisboa?

keep-calm-que-falta-so-um-bocadinho-assim.png

... para ser igual aos comboios de Bombaim!

Duas vezes na mesma semana, tive que esperar uns vinte minutos pelo metro da linha azul, às 8 da manhã!

Demasiado calor humano é que tenho para vos dizer. Preciso desabafar, pessoas!

...

E quando se apanha o metro pelas 6 da tarde, cheio como um ovo, e aparece o ceguinho que teima em pedir esmola de uma ponta à outra da carruagem?

E quando ceguinho ainda refila porque as pessoas não se desviam?

E quando as pessoas se desviam, por caridade, e têm que ficar naquele espaço entre os bancos, praticamente ao colo de quem está sentado, com malas e sacos e o caraças?

Alguém que explique a estas criaturas que, mesmo que um ser caridoso queira dar uma moedinha é fisicamente impossível conseguir chegar à carteira que está no bolso ou na mala! 

AI, CRISTO!

Pobre, a pensar pobrice…

Todas nós já sonhámos com a CASA IDEAL, não é?

Então, confessem lá, qual seria a vossa resposta a esta pergunta:

Se pudessem comprar uma casa nova (a casa de sonho), o que é que essa casa tinha que ter?

Uma assoalhada só para roupeiros? Uma piscina? Uma casa de banho tipo spa? Uma sala a perder de vista para terem uma mesa grande o suficiente para toda a família e amigos? Um cinema? Uma garagem para os carros todos e mais as bicicletas dos miudos? Uma arrecadação, ou duas?

Aposto que foi o que pensaram.

Mas eu não. Para pensar isso, eu teria que ser uma pessoa normal… decididamente eu não sou normal e cada vez me capacito mais que tenho uma mentalidade de pobre.

Sabem qual foi o meu primeiro pensamento?

A primeira coisa que me veio à cabeça foi … uma LAVANDARIA.

...

Dou comigo a babar naqueles programas de renovação de casas sempre que mostram aquelas zonas só para tratar da roupa, AFASTADAS da cozinha.

Parece que lá pelas ‘estranjas’ é normal as casas terem lavandarias. Vocês, que tratam da vossa roupa, sabem porquê, não é? 

Porque não há nada que faça mais PÓ do que tratar da roupa e pó e preparação de alimentos não combinam, pois não?

Pois não, mas os engenheiros e arquitetos tugas ainda não perceberam isso.

Eu até tenho uma cozinha grande. Dava, à vontade, para ter a máquina da roupa numa ponta e a zona de preparação da comida na outra ponta, mas não, o reles do construtor, para poupar nas canalizações, colocou a máquina da roupa precisamente entre o lava-loiças e o fogão, logo tenho que preparar a comida no bocado de bancada que fica por cima da máquina da roupa.

Camadão de nervos, pá! Sempre que estou a carregar a máquina, sonho com uma casa com um espaço assim…

lavandaria7.jpglavandaria6.jpglavandaria5.jpg

lavandaria2.jpglavandaria1.jpglavandaria4.jpg

Está decidido!

Se algum dia chegar a excêntrica quero uma casa com lavandaria (e, já agora, também quero a assoalhada só de roupeiros e piscina e spa e cinema e garagem e tudo e tudo, pronto!)

Natal 2017: a quem possa interesar

Ora, e o que seria o Natal (e aniversário) de uma gaja sem uns trapinhos novos para vestir?

Seria um Natal (e aniversário) muito triste, pois é?

Então vamos lá!

Categoria para hoje: Trapos

Podia ser 'Trapos em geral', mas depois isto ficava enfadonho, estava aqui até amanhã a postar imagens, por isso, fico-me pelos vestidos e camisas.

Da mesma forma, como sei que alguns dos potenciais interessados podem não ter a pedalada necessária para correr um centro comercial, fico-me apenas pela loja do costume (aquela com o nome que começa por z e acaba em a e no meio tem outro a e um r) que já é um mundo.

Ah, não esquecer que o tamanho é o L (que estes ombros não cabem em qualquer lado).

Vestidos (todos a rondar os € 40,00)

vestido-zara.jpgvestido-zara2.jpgvestido-zara3.jpg

 Camisas (todas a rondar os € 25,00)

camisa-zara1.jpgcamisa-zara2.jpgcamisa-zara3.jpg

A minha avó Deolinda

A minha avó Deolinda era analfabeta. Nunca pôs os pés numa escola, porque o seu avô achava que se uma rapariga não fosse à escola não ia conseguir escrever cartas aos rapazes… e seria mais fácil de controlar… dahh!

A minha avó Deolinda tinha muita pena de não saber ler e escrever, mas ninguém a enganava num troco. Ouvia-a muitas vezes dizer: ‘uma pessoa não precisa de ir à escola para saber contar pelos dedos… 3 e 3, 6 e 3, 9 e 3, 12 e 3, 15 e segue por aí fora!’

Sei que ficou muito orgulhosa com a licenciatura das suas netas.

Foi a única pessoa que conheci que, efetivamente, trocava o B pelo V. A recordação mais querida que tenho dela era quando se punha a explicar qualquer coisa muito acaloradamente (a minha avó Deolinda tinha opinião sobre TUDO, ok!) e no final perguntava-me, com olhos arregalados:

‘PERCEVESTE?’

A minha avó Deolinda tinha um metro e meio de altura e tinha sempre muita pressa. Acho que até dormia com o relógio no pulso, tinha sempre muito que fazer, andava sempre a correr. Todos os domingos ia à missa e era sempre a primeira a sair da igreja.

Na casa da minha avó Deolinda havia sempre três coisas garantidas:

- Garrafas de Sumol: quando íamos almoçar a casa da avó Deolinda era uma alegria para mim e Mana Querida… só uma garrafa para cada uma, que Sra. Minha Mãe não permitia cá abusos!

- Frascos de doce e de geleia e taças de marmelada: a minha avó Deolinda fazia doce de qualquer tipo de fruta, experimentava tudo.

- O cão da minha avó, o Chico Escuro. O Chico era neto do Jaka (o outro cão da minha avó) e filho da Steka (que estava na casa do meu tio). Quando nasceu ficou destinado a ser entregue a um vizinho nosso a quem lhe tinha morrido um cão que viveu sempre preso a uma casota. O Chico era um cachorro pastor alemão, muito brincalhão. Quando percebemos qual era o seu destino, imaginámos o bichinho preso a uma casota no quintal e choramingámos: ‘não dês avó, não dês… ele vai ficar preso… na rua’ e a minha avó não deu. O Chico nunca teve sequer uma coleira, viveu sempre em casa, foi muito mimado e morreu velhinho.

A minha avó Deolinda era daquele tipo de mulher que achava que as lides domésticas eram tarefa das mulheres e uma mulher ‘como deve ser’ tinha a obrigação de saber manter uma casa organizada.

Um dia, já crescida, ofereci-me para lavar a loiça do almoço, mas disse ‘eu lavo a loiça’ não disse ‘eu arrumo a cozinha’. Enquanto lavava os pratos, a minha avó andou sempre a serandar, quase a guardar-me. No fim de tudo lavado, agarrei no pano e comecei a tirar as grelhas do fogão para o limpar e só aí ouvi uma exclamação de orgulho e aprovação da minha avó:

‘Muito bem. Eu sei que não preciso de me preocupar com vocês… estão bem entregues, têm quem vos ensine!’

A minha avó Deolinda tinha expressões muito próprias… muito dela. Sendo uma ‘mulher do Norte’, a maior parte dessas expressões não são para repetir, pelo menos aqui, mas há uma que me acompanha sempre, dizia-me muitas vezes:

‘Rita, tu nunca te atrapalhes, uma mulher nunca se atrapalha’.

E rematava:

‘Olha que uma mulher atrapalhada é pior, mas muito pior, que um polícia bêbado!’

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Facebook

Follow

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D