Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Vir à terra é que é bom!

Estou de férias na aldeia. 

Vou na rua com Sra. Minha Mãe. Está uma velhinha, muito velhinha sentada à porta de casa. Conhece a minha mae:

- Então 'delaide, tás cá?

- Bom dia, então como vai isso?

- Vai muito mal... Isto já não tem conserto... Quem é essa menina?

- É a minha filha mais velha...

- Qualquer dia foge-te... 

- Ora, já fugiu... e já voltou...

- Que idade tem ela? 15 ou 16 anos, não???

- Tem 46...

- Ai... Não me acredito no que estás a dizer!!! 

...

Oh minha querida senhora... Que Deus Nosso Senhor lhe dê muita saúde... Principalmente nesses seus olhinhos!

Já valeu a pena vir de férias!!! 

Viva o Google!

Sobrinha Mai’Linda foi sempre uma miúda muito precavida. Durante toda a escola primária nunca perdeu um casaco. Chegava a fazer a aula toda de casaco vestido, sabíamos disso pelo estado em que ficavam os punhos, devido à grafite dos lápis de carvão… temos fotos de visitas de estudo em que é a única criança de casaco vestido… quando lhe perguntávamos o porquê desse comportamento, a resposta era invariavelmente ‘porque não quero perder o casaco, mãe!’

Desde que ingressou no 5º ano este comportamento sofreu alterações significativas... casacos de fato de treino já desapareceram dois e na semana passada tivemos uma estreia.

amarelo.jpgA miúda foi a uma visita de estudo. Como o tempo estava incerto e a visita era no exterior, a professora recomendou que levassem casacos para a chuva. Sobrinha Mai’Linda levou um casaco amarelo feito daquele material que se vê muito agora… parece borracha, mais ou menos como este da imagem.

Ora, em vez de chover… fez calor… e vai daí a miúda tira o casaco e, para não o perder (ainda resquícios de tempos idos...), enfiou o dito dentro da mochila. Só que havia mais coisas dentro da mochila, nomeadamente MARCADORES SEM TAMPA (qu’isto de guardar marcadores COM A TAMPA, DENTRO DO ESTOJO, é uma trabalhadeira que não se aguenta, não é?)

 

Quando Mana Querida tirou o casaco de dentro da mochila… até lhe faltou o ar...ia tendo uma síncope… ‘eu estava a contar que este casaco ainda servisse no próximo outono!!!!’  Tentou tudo para limpar os riscos… detergente da loiça, acetona, álcool tudo o que se lembrou… e nada!

Mas Mana Querida é uma gaja. E uma gaja adora um bom desafio.

Mana Querida também é uma mãe dos tempos modernos. Depois de experimentar todas as mézinhas que as nossas avós nos ensinaram, virou-se para as novas tecnologias e

PERGUNTOU AO GOOGLE

e não é que

O GOOGLE RESPONDEU?

Pelos vistos uma outra mãe já passou por situação idêntica e descobriu que uma POMADA PARA TRATAMENTO DO ACNE, também apaga riscos de marcador em tecidos aborrachados (deve ser uma mãe com um daqueles doutoramentos todos xpto em química, só pode!) .

O casaco está como novo!

Não sei de cor o nome da pomada, mas se houver por aí alguma mãe em desespero idêntico, eu falo com Mana Querida e partilhamos informações (temos que ser umas para as outras, não é?)

Sobre o acidente ontem no Barreiro

Já por aqui disse... sou uma barreirense, com muito orgulho.

Defendo a minha terra. Não a troco por nenhum outro sítio... a menos que pudesse morar em Lisboa, mas tinha que ser Lisboa cidade (e mesmo assim só em algumas partes da cidade e só mesmo porque trabalho em Lisboa)... nunca nos arredores da margem norte... se é para ser uma suburbana da linha de Sintra ou de Cascais, então prefiro mil vezes ser suburbana do Barreiro.

Todos os concelhos da margem sul e acho que também da margem norte de Lisboa, dependem de empresas privadas de transporte rodoviário de passageiros. Resultado... horários muito reduzidos e, até há bem pouco tempo, passes mais caros.

Há SESSENTA ANOS que a Câmara do Barreiro disponibiliza aos seus munícipes o Serviço Municipalizado dos Transportes Coletivos do Barreiro. Todo o concelho está coberto por uma rede de transporte coletivo, que funciona todos os dias, desde manhã bem cedo, até de madrugada.

Esta é uma das razões que me leva a não pensar viver noutro lado. Quando digo aos meus colegas que no Barreiro temos um serviço camarário de transporte público de passageiros que funciona nos moldes da Carris, ficam surpreendidos. Não conhecem mais nenhuma Câmara que o faça (só há um punhado de Câmaras a fazer isto em todo o país).

Sim, os autocarros estão muito velhos (alguns têm mais de 25 anos).

Sim, nem sempre se cumprem todos os horários.

Sim, o corpo de motoristas está velho, são poucas as caras novas que chegam. Para mim são uns hérois, trabalhar de madrugada, de noite,  aos fins de semana e feriados, aturar aqueles passageiros que se acham donos do mundo e chegar ao fim do mês 'toma lá 700€'... não é para todos.

Ontem, assim que se soube do acidente, fiz aquilo que todos fazem, nestas alturas... fui ao FB... e lá estavam as bocas foleiras do costume... 'os autocarros estão velhos'... 'os motoristas são uns incompetentes'...

Tenham juízo pessoas!

Aprendam a defender o que temos de melhor na nossa casa, mesmo que tenha defeitos!

As pessoas só sabem falar de barriga cheia...

Três anos disto

O Engraçadinha faz hoje TRÊS anos!

Deixo-vos a melhor canção de parabéns alguma vez escrita.

Foi escrita para celebrar um homem muito especial, dos mais especiais, e tem o condão de me deixar sempre bem disposta.

Sim, é de 1980! Sim, muitos de vós que estão a ler isto, se calhar ainda nem projeto eram, em 1980!

Em 1980 eu já era uma grande mulher... a lutar diariamente com as contas de dividir por dois ou mais algarismos... na 3ª classe! (continuo a lutar com elas até hoje...)

São quase 6 minutos de video... por isso, rápido... aproveitem que o chefe ainda não chegou, ponham o som a bombar e cantem os parabéns à Engraçadinha!

Há quinze dias estiveram quase 30º

Mas eu vou de férias, não é…

Pois claro que vou!

Na próxima semana vou prá terra. Uma semana e meia.

Estive a ver a previsão meteorológica para S. Pedro do Sul... (fu** a terra até tem o nome do Santo que controla o tempo...)

Uma constante de dias seguidos de temperaturazinhas sofríveis que raramente vão atingir os 20º (e se lá chegar será ali entre a uma e meia e as duas e meia da tarde…) isto quando não chover!

A ver se, à chegada, passamos logo no supermercado e atestamos a despensa lá de casa com ovos, farinha, açúcar, vários tipos de bolachinhas e chás…

A malta até podia entreter-se fazer limpeza nos roupeiros (tanta tralha que por lá anda...) ou a limpar os azulejos da cozinha...

Mas depois o pó deixa Mana Querida cheia de falta de ar e se ela não dorme bem, nós também não... é uma questão de solidariedade... e depois há sempre o risco de estalar o verniz das unhas e tinhamos que receber o Sr. Padre, no Domingo de Páscoa, com o gelinho estalado... não pode ser... é toda uma imagem que é preciso preservar...

Tou memo a ver… só com os canais da TDT para entretenimento… vão ser muitas as tardes a fazer bolo de chocolate, bolo de laranja, bolo de iogurte, scones... lanchinhos vários, só naquela do ‘'a malta tem que se entretar com alguma coisa" e "é preciso passar o tempo"

De maneiras que... é isto...

 

Já me disseram que no Domingo de Ramos há festa na aldeia… vão assar um porco no jardim do Espírito Santo… yesss!

10€, all you can eat! Adivinhem lá quem já confirmou presença?

Coincidências... ou coisas que não se explicam!

Já vos tenho falado nas minhas coincidências.

Coisas que me acontecem (principalmente coisas que me aconteceram nos primeiros tempos depois do meu Paulo morrer) para as quais até pode existir uma explicação lógica, racional, mas que não deixam de me provocar arrepios na espinha, porque não consigo deixar de pensar que não pode ser só uma mera coincidência e que alguma coisa, muito superior a nós, tem o poder de alinhar estrelas, astros e constelações e fazer acontecer… às vezes para o bem, outras nem por isso...

Esta semana aconteceu outra vez. Não comigo, mas com pessoas que conheço. Um casal vizinho dos meus pais lá na terra. Ambos criados com a minha mãe desde pequenos.

Tiveram uma filha deficiente profunda. A Isabelinha.

A Isabelinha viveu toda a vida entre a cama e a cadeira de rodas. Dependente a 100% para tudo. Os médicos diziam que não teria grande esperança de vida, mas aqueles pais abraçaram o que lhes calhou em sorte e dedicaram-se àquela filha de tal maneira que a Isabelinha espantou os médicos e viveu muitos anos. Mais de cinquenta…

Os anos foram passando. Os pais já na casa dos 80. Muitas vezes ouvimos aquela mãe dizer ‘se fechamos os olhos, quem vai tomar conta da minha filha? Ninguém toma conta dela como nós dois…’.

Quis o destino que o pai da Isabelinha morresse primeiro. Fez duas semanas no domingo. Todos a pensar naquela mãe, agora sozinha com uma filha adulta tão dependente… ‘como é que vai ser agora?’

Ontem recebemos a notícia. Outra vez o arrepio na espinha. A Isabelinha morreu.

...

Lá está… podemos dizer que é só uma coincidência. Podemos encontrar uma resposta racional e pensar que a Isabelinha era um ser frágil e sentiu um desgosto enorme quando deixou de ver o pai. Também se morre de tristeza, não é? Ainda mais quando se tem uma capacidade diferente de entender e aceitar o mundo…

Eu? Eu prefiro pensar na tal entidade, muito superior a nós, que sabia que chegara a hora de receber a Isabelinha, mas precisava de alguém para olhar por ela e, por isso, mandou chamar o pai primeiro… para estar lá, para a receber, e a Isabelinha não sentir medo, por se ver sozinha.

Descansem ambos em paz.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Facebook

Follow

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D