Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Só quem anda nos transportes públicos, me compreende!#34

Agora já não basta falar em voz alta sobre tudo e mais alguma coisa da nossa vida, no meio do autocarro cheio.

Agora uma conversa que se preze tem que ser uma videochamada ou, no mínimo, em alta voz.

Isto de encostar o telemóvel ao ouvido é tão 2010!!!

Agora tenho a mãe que TODOS OS DIAS... TODOS OS DIAS está no autocarro a caminho do trabalho, enquanto controla a ida para a escola da filha mais nova, tudo em alta voz, claro!!!

Estas situações já são o pão nosso de cada dia, estas e a audição de toda a espécie de videos (sermões do pastor, videos motivacionais, criancinhas a gargalhar) é toda uma festa!

Um destes dias atingi em novo top... das viagens de barco mais épicas da minha vida... uma criatura sentada nas imediações da minha pessoa a ouvir isto... em loop:

Não sei o que me custa mais... ouvir isto 2 ou 3 vezes seguidas ou o ar tipo 'NO PASSA NADA!' de todos à minha volta...

Bom fim de semana!

Rita, a administradora de condomínio!

Olá meus amores. Pensavam que tinha desaparecido da face da terra?

Se aquietem que ainda mexo… e desde novembro passado a minha vida adquiriu todo um novo sabor, uma nova cor, um novo ânimo… sou a nova administradora do condomínio lá do meu prédio!

Ai, pessoas qu’isto tem sido uma festa!

Passo a contar:

O condomínio existe vai para 15 anos. Em 15 anos só saíram e entraram 2 novos condóminos (nos últimos 2 ou 3 anos). Nos últimos 6 anos a administração tem estado entregue sempre aos mesmos dois moradores (facto a que estarei eternamente grata, porque entre vários outros assuntos, conseguiram resolver um berbicacho de todo o tamanho com o elevador). As reuniões foram sempre pacíficas, de uma maneira geral íamos todos para a entrada do edifício e dizíamos que sim à Administração. Estava sempre tudo bem.

Não há bem que sempre dure… em 2018 e 2019 tentaram passar a pasta, mas a malta lá os convenceu a continuar. Depois meteu-se o Covid, nada de reuniões por causa dos ajuntamentos, só voltámos a reunir em novembro de 2021.

Nova tentativa de passar a pasta, nova intenção de manter tudo igual e eis que é largada a bomba: um dos administradores já tinha vendido o seu apartamento e estava de saída… BBUUMM!!!

Parecíamos baratas tontas, tudo a fugir com o rabo à seringa… uns que também iam pôr a casa à venda, outros que têm vidas muito agitadas e estão semanas fora… acabei a olhar para o meu vizinho do 3.º andar e acabámos por aceitar!

Ficámos os dois à conversa no final da reunião:

- oh vizinha, isto vai ser fácil, é só preciso acabar o processo de inspeção do elevador e combinar a pintura do prédio com o pintor que já selecionámos. Se a vizinha controlar os mapas de pagamentos de quotas e guardar os papeis eu trato de falar com as empresas…

- pois! Foi por isso que aceitei, pensei rapidamente e acho que vamos ter um ano calmo…

Estamos em março…

Já fizemos 2 reuniões de condomínio.

Na primeira o ambiente azedou pela primeira vez com aquelas questões tão típicas deste tipo de encontros: o vizinho tem uma mancha de óleo no seu parqueamento, tem que lavar, não ponha areia que isso entope o escoamento da garagem… ai sim, se está incomodado eu também fico incomodado quando o vizinho sacode o pelo do seu cão e as suas migalhas para a minha roupa estendida. Na segunda tivemos que informar que tínhamos recebido uma carta do advogado de um dos condóminos, a que seria preciso responder com a ajuda de um advogado. Está prevista nova reunião para as próximas semanas… acho que ainda tenho em casa drogas que me ajudam a estar calma e serena!

Já tive que rosnar e arreganhar os dentes a alguns condóminos, porque queriam que eu escrevesse em ata, coisas que não se passaram na reunião.

Foi preciso nós assumirmos isto para, de repente, todos acharem absolutamente fun-da-men-tal aprovarmos um regulamento de condomínio e abrir uma conta poupança. Nunca ninguém se lembrou disto em 15 anos, mas agora esta é uma situação verdadeiramente inadmissível.

Resultado… para o meu vizinho, dias a pesquisar e contactar empresas que façam manutenção de lareiras e chaminés, para mim, uns serões presa ao computador a escrever uma proposta de regulamento!

Já só sonho com o mês de janeiro de 2023. Deus Nosso Senhor vai ser meu amigo, vai guiar as estrelas e as constelações e as energias e vai permitir que eu passe a pasta a um certo e determinado vizinho!

Rita, a domadora de leões a administradora de condomínio!

 

As saudades que eu tinha disto!

Dos transportes públicos cheios de gente estranha e esquisita!

Agora a moda parece que é ir no fundo do autocarro com a coluna de som a debitar decibéis de “música” para todos, mesmo para os que não querem ouvir. Estou a falar de “música”, assim mesmo entre aspas, porque o gosto musical é sempre de vómito.

Depois juntamos a senhora que vai a ouvir o sermão do pastor lá da igreja dela, mais a senhora que resolve fazer uma videochamada com a vizinha do 3º esq. e desanca em todo o condomínio…

O que se passará na cabeça destes energumenos que acham que lá porque têm um telemóvel nas mãos podem incomodar toda a gente à sua volta?

Se estão de acordo comigo, lancemos desde já a campanha solidária de Natal #pedeunsfonesaopainatal #háemqualquerlojadochinês

...

Das lojas cheias de gente. Mais uma vez, de gente estranha e esquisita!

Numa daquelas lojas que só vende ténis e roupa desportiva, Mana Querida pretende pagar uns ténis para oferecer à miúda no Natal.

Criatura do sexo masculino está à sua frente a fazer o pagamento da sua compra. Veste fato de treino Adidas, azul escuro (calças e sweat, com o capuz bem enfiado na cabeça, complementado com a não menos maravilhosa meia branca da raquete).

Aquisição que a criatura está a pagar… dois fatos de treino Adidas.

Total da aquisição que a criatura está a pagar… mais de 300€ (sei esta informação, porque o valor foi por duas vezes contado em cima do balcão, nota a nota…).

Temos assim, uma criatura do sexo masculino agora muito mais feliz porque tem 3 fatos de treino iguais, em azul escuro, em preto e, como é sempre possível piorar... em beje (BE-JE ).

#nãosabesoquefazeraodinheio #podesguardaroteudinheironaminhacarteira #milvezesoscasacosdoManelLuisGoucha

 

Eu sei que o Covid está longe de acabar. Eu sei que temos que ter cuidado. Mas a malta fechada em casa é muito mais triste, caraças!

Toda a m**** cá vem parar!

Ontem. Regresso a casa depois do trabalho. Autocarro da Carris. Passageiros de muitas nacionalidades/etnias.

Numa das paragens entram pela porta de trás (depois de falarem com o motorista) duas mulheres jovens com dois carrinhos de bebé.

O autocarro já ia um bocado cheio. Foi precisa alguma ginástica, e alguma boa vontade dos restantes passageiros, para que os carrinhos de bebé ficassem arrumados no local adequado. As mulheres eram indianas (dessa zona do globo) e eram muçulmanas (tinham um lenço que lhes cobria todo o cabelo e parte do corpo). Uma delas voltou a sair e foi à frente comprar os bilhetes e voltou a entrar pela mesma porta.

Tudo isto reteve o autocarro por um bocadinho mais de tempo.

Ouve-se uma voz mais atrás. Um português idoso:

“o que este país precisa é de outro Salazar… pretos, brasileiros, indianos… toda a merda agora aqui vem parar!”

Silêncio. Incómodo.

Ainda não passaram 50 anos desde que se instaurou a democracia neste país.

Aquele homem viveu toda a sua juventude em ditadura.

Será que já se esqueceu que o tal Salazar fez de nós, portugueses, a “merda” da Europa, quando fugiamos a salto e íamos por esse mundo fora fazer o que os outros não queriam fazer?

Serão os nosso emigrantes melhores que os emigrantes dos outros?

As pessoas envolvidas nesta cena (as mulheres jovens, as pessoas que as ajudaram a colocar os carrinhos, as pessoas que se afastaram) eram maioritariamente estrangeiras (pelo menos pareciam). Todos tiveram um comportamento corretíssimo, de um civismo a toda a prova. Coisa que muitas vezes não vejo em portugueses.

O que mais podemos pedir?

Está em destaque no Sapo um post que relata uma situação muito idêntica a esta.

Acho que é nosso dever começar a relatar este tipo de episódios. Começar a mostrar aos olhos de todos, o racismo que continua presente na mente portuguesa.

Sobre a polémica da roupa dos meninos na escola

Eu sei que na escala temporal das redes sociais este é já um assunto morto e enterrado, mas eu voltei há pouco de férias e, pela primeira vez em ano e meio, estou a fazer uma semana seguida no escritório... estou estoirada! 

Sei que andam por aí umas almas muito indignadas com as proibições que algumas escolas tentaram impor aos seus alunos, no que toca à indumentária que levam para as aulas.

Não sou a favor das fardas (então quando são aquelas fardas das saias de xadrez às pregas com as meias pelo joelho…), mas não consigo deixar de concordar que é preciso ensinar a esta geração um bocadinho de bom senso.

Para mim a questão resume-se a isto… BOM SENSO!

Não se trata de castração da liberdade, nem da forma de afirmação e expressão de valores, blá, blá, blá… isto tudo se resume ao bom e velho BOM SENSO que nos ensina que existem um conjunto de regras sociais sobre o saber ser e saber estar.

Se a família é convidada para um casamento, com certeza não vai permitir que o jovem lá de casa se apresente na igreja de t-shirt, chinelos e calções de banho (também não precisa de lhe impor um fato e uma gravata… nem 8 nem 80… lá está o BOM SENSO). Da mesma forma que o grupo de amigas que resolve passar a tarde na praia também não vão todas de botas e collants ou com vestido de cerimónia.

Então porque é que os pais permitem que os filhos se apresentem na escola seminus?

Ontem. Regresso a casa no comboio da Fertagus. Pequena no corredor da carruagem a preparar-se para sair. Não sei se vinha do trabalho, mas tinha idade para ser estudante universitária. Indumentária da pequena:

Um top que mais não era que um soutien.

Uma saia que mais não era do que um pano à frente e outro atrás (mal tapava o rabo) que se juntavam apenas na zona da coxa onde devia estar a lateral da cueca.

BOM SENSO!

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Facebook

Follow

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D