Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Nada como uma mãe para nos abrir a pestana

Depois de ver o meu Paulo morrer passei a estar muito mais atenta aos cuidados com a minha saúde. Tento levar isto sem exageros, mas, como em qualquer outra coisa na vida, quando se está a começar, volta e meia sou tentada a passar-me da marmita e acabo por fazer figuras tristes.

Isto tudo para vos contar o que me aconteceu a semana passada:

Como qualquer gaja quase a completar 45 anos, a arte de camuflar e disfarçar os sinais próprios da idade começa a impor-se no meu dia-a-dia. Não me queixo muito de rugas, não lhes ligo muito é certo, já o mesmo não posso dizer dos meus cabelos brancos. De há uns anos a esta parte, os meus cabelos brancos têm-se multiplicado à velocidade da luz, quais ervas daninhas, neste lindo canteiro que é a minha cabeça.

Fui agentando, até começar a temer a entrada no elevador do prédio onde trabalho.

Não sei se conhecem aquela sensação de entrar no elevador do local de trabalho, com um porradão de colegas, e, ao olharem-se ao espelho, verem um SEMÁFORO, um FAROL no topo da cabeça?

Como não gostava, comecei a pintar o cabelo com intervalos de 6 a 7 semanas.

Ora, mais recentemente, nos meus passeios pela net, conheci uma nova moda que passa por deixar a ‘escravatura’ de pintar o cabelo. Parece que há pior aí muita mulher que optou por assumir os seus cabelos grisalhos. Confesso que não me impressionou por aí além, até ter lido que a justificação passava, não só, mas também, por deixar de entupir o nosso corpo com produtos químicos.

Foi aqui que eu balancei. Eu que estou nesta fase de ter mais cuidado com a minha saúde, pareceu-me que fazia todo o sentido abandonar as tintas para o cabelo. De modos que, tendo pintado o cabelo, pela última vez, no início de agosto, decidi que ia tentar viver, em paz, com os meus cabelos brancos.

Comecei por combater a danação que sentia sempre que entrava no elevador do meu local de trabalho e via mil faróis e outros tantos semáforos no alto da minha cabeça. Não podendo fugir ao elevador, optei por ignorar o espelho do elevador, virando-lhe as costas.

A coisa até estava correr menos mal, mas... não contei com outro fator… a Sra. Minha Mãe.

Nos últimos 15 dias, sempre que ia jantar a casa dos meus pais reparava que a minha mãe olhava para a minha cabeça… disfarçadamente… não dizia nada, mas… olhava… e eu a fazer de conta que não reparava que ela olhava.

Até que a semana passada, não se contendo mais, ofereceu-se para me pintar o cabelo, ao que eu respondo:

- Ah e tal, … blá, blá, blá, reduzir os químicos em contacto com o corpo… assumir os cabelos brancos… e a escravatura de pintar o cabelo… o corpo é nosso… blá, blá, blá…

Ao que Sra. Minha Mãe me interrompe e com aquele ar que só uma mãe é capaz de ter, me diz:

Oh rapariga, deixa-te de coisas!

És muito nova para parecer velha!

Vai masé fazer essas raízes!

E pronto!

Fez-se luz, ou melhor... apaguei as luzes.

Exterminei os meus semáforos e faróis (eu sei que eles vão voltar, mas já estou à espera deles... deixei marcada nova pintura lá para meados de dezembro).

 

Oh pá! Uma mãe faz muita falta.

Quase 45 anos e ainda preciso que a minha me abra a pestana!

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Facebook

Follow

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D