Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Aviso já: vou dizer asneiras

Dizia ontem uma blogger que costumo ler, que agradecia ao Sapo os destaques que teve em setembro e outubro, porque causavam autênticos ‘picos do Evereste’ no seu gráfico de visualizações. Já tive vários destaques no Sapo e estava convencida que também eu tinha alguns ‘picos do Evereste’ … mas não tinha, afinal não passavam de meras Torres da Serra da Estrela. Ontem é que tive, pela primeira vez, um verdadeiro ‘pico do Evereste’. Foi a loucura com o meu post sobre a Soflusa (mais de 2600 visualizações ).

Por norma tento levar a questão dos transportes públicos na brincadeira (nos posts ‘Só quem anda nos transportes públicos, me compreende!’). Gasto um total de 3 horas por dia nos transportes e, há muito me convenci que se não levar isto com alguma descontração a vida fica muito mais difícil (e já é tão difícil…).

Também tenho a noção que não tenho a vida que muitas outras pessoas têm… vivo sozinha, a minha única preocupação é sair de casa com tempo suficiente para conseguir chegar ao trabalho, no limite, às 9 horas, sem correrias, e no regresso, não quero nem saber, quando chegar, cheguei.

Mas muitas, muitas pessoas que se cruzam comigo todos os dias, não se podem dar este luxo, porque têm trabalhos precários, porque têm hora certa para deixar e tirar os filhos do ATL (se não pagam mais), porque têm que andar com os filhos pequenos nesta vida, como aquela mãe que atravessa o rio todos os dias com TRÊS crianças pequenas pela mão.

Foi por isso que me senti ofendida com as declarações daquela ‘Senhora’. São pessoas que não vivem neste mundo, que não olham para o lado. Estão tão habituadas às mordomias que os cargos lhes dão, que se esquecem que servem PESSOAS.

Nem de propósito, ontem no regresso a casa, mais uma ‘tourada’.

Pela primeira vez em muito tempo fiz o percurso, entre a Expo e o Campo das Cebolas, de autocarro. Apanhei o autocarro na Expo, por volta das 18h00 e cheguei à paragem de Xabregas às 18h20. Andámos meia dúzia de metros e parámos. Uma fila descomunal, tudo parado, carros da Polícia Municipal… ‘mas o que é que passa aqui’.

Lá conseguimos chegar a Santa Apolónia. Notava-se uma confusão, mas não conseguia perceber porquê. Mais uns metros e o autocarro foi forçado a parar por alguns polícias. Tivemos que sair todos do autocarro e fazer o resto do percurso a pé. PORQUÊ? Porque havia uma manifestação de várias forças de autoridade e estava montado um ‘circo’ em frente ao Ministério das Finanças. O trânsito estava CORTADO.

Cortaram o trânsito numa zona que é atravessada por milhares de pessoas, não só as que vão para a estação de Sul e Sueste (Barreiro), mas também as que vão para o Cais do Sodré (que serve os residentes de toda a linha ferroviária que vai para Cascais, mas também as pessoas que usam os barcos da Transtejo que seguem para o Montijo, Seixal e Almada). Conseguem ter uma ideia da confusão...

Pergunto: mas porque raio não fizeram a manif às duas da tarde? Porque é que escolheram O PICO DA HORA DE PONTA para fazer a concentração numa das zonas mais criticas de Lisboa? Não houve uma PORRA de uma entidade que dissesse ‘ok, façam lá a manifestação, estão no vosso direito, mas não a esta hora E neste local’.

Já disse que tento levar isto tudo com algum nível de descontração, mas ontem quando tive que sair daquele autocarro só me apeteceu gritar. Apeteceu-me agarrar naquela gente toda e afoga-los no rio. Sentia-me SATURADA, FARTA.

Sabem uma coisa, Srs das forças de autoridade… PUTA QUE VOS PARIU!

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Facebook

Follow

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D