Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

A minha viagem no mundo do ‘destralhanço’ #5

É mesmo muito fácil acumular coisas nas nossas casas. Vejam só estes pequenos exemplos:

  • Faturas de água e da luz e da tv cabo, extratos do banco

Sobre isto só tenho uma coisa a dizer: VIVA O ENVIO DE FATURAS POR E-MAIL!

  • Aquela coleção de botões que nunca utilizamos

A minha coleção é composta pelos botões e linhas que vêm junto às etiquetas da roupa nova… no meu caso ainda é mais gritante, porque eu não coso botões ou coisas descosidas, no máximo, com muito esforço, conseguiria amarrar botões! É mais do que simples falta de jeito, é mesmo uma incapacidade.

  • Coisinhas eletrónicas, pequenos aparelhos, computadores e pequenos eletrodomésticos avariados (que íamos mandar arranjar!), carregadores eletrónicos sem dispositivo

Desfazemo-nos dos telemóveis e dos tablets e coisas semelhantes, mas os carregadores andam décadas às voltas numa gaveta.

...

Já vos contei que o meu Paulo guardava tudo. Quando eu digo tudo, é mesmo TUDO. Deitar um papel fora, na sua presença, era uma batalha. Quando eu tinha um dos meus ataques de destralhanço, punha-se logo em sentido. Vou só contar uma historiazinha, para vocês perceberem o grau superlativo do meu sofrimento:

Como não tenho uma despensa, um dia resolvi que queria aproveitar uma parte de um roupeiro para guardar o aspirador e a tábua de passar a ferro. Ora, a parte do roupeiro em questão estava cheia de quê? TRALHA, assim em geral. Começou a batalha… eu a querer deitar fora e ele a contrapor. Nesse dia, cheguei ao ponto em que peguei num saco cheio de… papéis:

Eu – Paulo, isto é o quê?

Paulo (seguríssimo de si) – Papéis… importantes…

Eu (retiro um papel do saco) – Paulo, isto é… o recibo de caixa da compra do… escorredor de loiça que está na cozinha!!!

Paulo (ainda mais seguro de si) – Então, morzinho, imagina que temos uma inundação ou um incêndio… temos que provar à seguradora que tínhamos um escorredor… e que custou isso, ou não?

Por norma, esta era a altura em que eu me sentava no banco mais próximo, com as mãos na cabeça, e lhe dizia ‘não sejas engraçadinho! Por favor, tem dó de mim!’

Tendo esta história por cenário, conseguem perceber o que eu encontrei em gavetas, armários, caixas e caixinhas, lá por casa?

  • Calendários, cartões-de-visita de restaurantes e de lojas.

O meu Paulo era exímio a juntar estes cartões! Havendo cartões de visita ou brindes junto à caixa de pagamento, fosse onde fosse, era certo e sabido que trazia um com ele. Às vezes dois! Era pior qu’os putos!

  • Brindes publicitários

O meu Paulo trabalhou 20 anos no setor da carga aérea. Era muito conhecido e querido por muitos que trabalham no setor, principalmente no aeroporto de Lisboa.

Sabem quantos porta-chaves em forma de aviõezinhos é que estão lá em casa? Pisa papéis, medalhas, canivetes, pins… e canetas? Encontrei uma caixa de SAPATOS cheia até cima de canetas, largas dezenas de canetas oferecidas ao meu Paulo… juro que dei comigo a falar para o teto (‘a sério, Paulo, a sério!’). Passei um serão a rabiscar num bloco… guardei só as que ainda escrevem… ainda tenho meia caixa de sapatos!

Quanto aos aviõezinhos e afins… também os guardei… eu sei que nunca os vou utilizar, mas não fui capaz… (pode não parecer, mas sou uma lamechas!)

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Facebook

Follow

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D