Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Não sejas engraçadinha!

Como é costume dizer nestas lides "Este é um blog sobre tudo e sobre nada"

Falemos então de caixotes!

Sim, este é para vocês, a malta da GSA, em especial, e da carga aérea no aeroporto de Lisboa, em geral

Ao contrário de mim que tenho tias e tios, primas e primos para dar e vender, o Paulo tinha uma família pequenina (pais, irmã, cunhado e dois sobrinhos).

Ao contrário de mim, o Paulo tinha um mundo de Amigos. Assim mesmo com A maiúsculo.

Camisola.jpg

Não era possível ter este blog sem fazer uma referência à malta da GSA (para mim não há cá Air Logistics): o Rui (e a Ana), o Jorge (e a Beta), o Pedro (e a Fátima), a Eva, a Carla (sei que são mais, mas estes são os que mais me lembro).

Também os irmãos Rocha Pinto (e a Marta) e o ‘Caçoilo’ (junto com o Paulo foram uma espécie de ‘cocó, ranheta e facada’).

Para além de mim e do Melga, que tivemos que reinventar uma vida, que tivemos que nos habituar a entrar sozinhos em casa, todos os dias, também os colegas da GSA tiveram que aprender a entrar todos os dias no escritório e ver a secretária do Paulo vazia, também eles tiveram que reaprender a trabalhar e a viver sem o Paulo. Bem vistas as coisas, somos os que mais sentimos a sua falta, porque o Paulo fazia parte do nosso dia-a-dia.

O Paulo era a personificação do ‘gajo bacano’. Para qualquer lado que fossemos o Paulo encontrava sempre algum conhecido do aeroporto (no início estranhei, depois entranhei!).

No velório e no funeral eu sabia que ia aparecer muita gente, mas não estava preparada para aquele MUNDO de gente. Gente que eu não conhecia, que não me conhecia, e vinham ter comigo, muitos de lágrimas nos olhos: ‘trabalhei com o seu marido muitos anos’, ‘era um grande amigo’, ‘vou sentir muito a sua falta’. Lembro-me de chegar ao cemitério, sair da carrinha funerária, olhar para trás e ver uma fila de automóveis a perder de vista. Só mais tarde vim a saber que o funeral congestionou o trânsito da vila onde moramos de tal maneira, que houve moradores que quiseram chamar a polícia para ordenar o estacionamento e o trânsito.

Estou muito grata à malta da GSA. Nas semanas a seguir ao funeral revezaram-se e telefonaram-me para casa para saber como estava, se precisava de alguma coisa (sim, eu percebi que era uma vez a cada um!) e que todos os anos se lembram de me convidar para o jantar feito com os ganhos anuais do totoloto. O Jorge que me telefona sempre que tem dúvidas na entrega do IRS ou para me desejar um bom natal, ou a Beta e a Ana que respondem aos meus desabafos no facebook, a Fátima que teve uma paciência de santa com os meus medos burocráticos, o Pedro que se lembra de me ligar no dia dos anos do Paulo.

Estou muito grata ao Orlando Rocha Pinto que, quando foi preciso retirar a urna da sala do velório, se chegou à frente e perguntou 'quem é que ajuda a levar o amigo?' e não houve urna para tantas mãos.

A todos os que trabalharam com o meu querido Paulo, posso dizer que tenho muitas saudades das conversas que acabavam sempre em caixotes, paletes e cartas de porte; não posso dizer que tenho saudades de ouvir chamadas para o telemóvel do Paulo às 21h que começavam com a frase ‘Paulinho, ainda estás no escritório?’

Eu sei que não faziam por mal. Uma vez o pai de um colega do Melga perguntou ao Paulo o que é ele fazia. Ele respondeu que trabalhava com carga aérea. ‘Carga aérea! Isso é trabalho para gente louca!’ e o Paulo disse ‘Pois é!’

Mas ele não se via a trabalhar noutra coisa que não fossem os aviões.

Obrigada a todos.

 

PS: Não interpretam mal o que eu disse. Não posso comparar a nossa dor à dor dos pais do Paulo. Essa é uma dor à parte. É outra dor. Chegar aos 80 e ver morrer um filho… é simplesmente contra natura. O ser humano devia estar geneticamente programado para não poder morrer antes dos pais.

'Quem procura, acha!'

Durante anos fui pessoa muito avessa a consultar médicos. Não era preciso, se não me dói nada, vou lá fazer o quê?

Depois chegam os quarenta, e Sra. Minha Mãe começa a azucrinar-me o espírito:

- Oh Rita, tens que começar a fazer os exames que as mulheres fazer a partir desta idade. Não custa nada, é só uma vez por ano.

Como acho que é nossa obrigação deixar as nossas mãezinhas felizes e descançadas, fiz-lhe a vontade e lá fui à Sra. Dra.

BINGO! Dois miomas, um deles já bem volumoso. Resultado, manter os bichinhos vigiados de perto.

Isto foi há uns dois anos.

Como não aprendi a lição, este ano resolvi queixar-me de umas dores de estômago (isto é que ela é burra!). Mais exames.

BINGO! Pedra na vesícula.

Palavras do médico que fez a ecografia: 'Bem, isto já não é uma pedra. Esta já pode ser classificada de calhau, tem 3 cm!'

Lá diz o povo, com toda a razão: quem procura, acha!

Como diz a minha sobrinha de oito anos, 'Temos que ser positivas, avó!'

Vou seguir o mesmo lema, quando me puser em cima de uma balança, além do peso do miomas, também posso descontar o peso da pedra.

Que acham, tirar 400, 500g ao total? Estarei a exagerar...

 

‘A quente...’

O post de ontem foi escrito no ‘calor do momento’. Foi a primeira vez que isso me aconteceu.

Normalmente os meus posts são escritos nos meus bocadinhos livres e são lidos e corrigidos. Nunca tinha escrito daquela maneira, ‘a quente’. Diretamente na caixa de texto.

Foi uma espécie de catarse (acho que é assim que se diz). Estava tão perdida e confusa quando comecei a escrever, mas quando acabei senti-me leve.

Mais do que nunca, ontem percebi que escrever ajuda-me a organizar as ideias, obriga-me a pensar, analisar, chegar a conclusões.

Cada vez gosto mais desta ideia de ter um blog.

E depois do adeus...

Este fim-de-semana foi outra vez difícil. Voltei a chorar. Sei muito bem o que provocou esta queda. Uma coisa tão pequenina, tão simples, como ir a uma loja que era uma das ‘nossas’ lojas, onde eu nunca mais voltei a entrar.

Só que desta vez foi diferente. Comecei a chorar de tristeza, de dor, mas em pouco tempo dei comigo a sentir raiva:

‘Como foste capaz de fazer isto comigo? Foste embora e deixaste-me aqui sozinha, a passar por isto tudo, sozinha. Tanta vez que te disse para teres mais cuidado contigo e tu sempre a dizeres que sou uma exagerada!’

Falava alto em casa, olhava para as fotos dele e falava alto e chorava: ‘COMO FOSTE CAPAZ?’

No meio daquela loucura toda, olhei para um espelho e assustei-me.

Estava transfigurada. A cara inchada, vermelha, despenteada, um ar enraivecido. Não me reconheci e tive medo.

‘Oh mulher, o que estás a fazer? Estás a dar cabo da tua saúde. Nunca te zangaste a sério com ele enquanto foi vivo, vais-te zangar agora!?’

‘Não podes continuar nisto. Tens que fazer alguma coisa.’

Andei pela minha casa, passei por todas as divisões e apercebi-me que o Paulo e o Melga estão em todos os cantos. Está praticamente tudo no mesmo sítio. Objetos, fotos, tudo conta uma história, tudo tem recordações.

Apercebi-me que ando a evitar dar o passo que falta. Por muito que me custe, tenho que começar a deixar o meu Paulo para trás. E tomei a decisão mais difícil.

Vou dar uma volta completa na minha casa. Vai deixar de ser ‘a nossa casa’ e passar a ser ‘a minha casa’. Tenho medo de começar a sentir raiva do meu amor, por isso, prefiro guardá-lo num cantinho só meu, onde posso voltar sempre que quiser, sempre que sentir saudade.

Curiosamente tudo isto se passou no domingo, 24 de abril. Acho que foi a minha Revolução.

Não é por acaso que a senha da revolução de há 42 anos teve esta música como senha (letra aqui).

Mais uma das muitas 'coincidências' com que me deparei ao longo deste ano e meio.

Rita, a madrasta

Isto de ser madrasta tem muito que se lhe diga. Cada caso é um caso, com muitas variáveis em jogo: a madrasta, a criança, os pais da criança, os avós da criança. Tenho a sorte de ter um enteado que sempre foi um amor de menino. Meiguinho. Desde que fosse bem tratado, para ele estava tudo bem (acho que é isto que qualquer criança de 6 anos quer).

Lembro-me de a minha mãe me dizer ‘Oh Rita tens que ter muita atenção. Não estás a casar só com um homem, também estás a casar com o filho dele’ e a minha avó que me disse ‘nunca te esqueças, o menino não tem culpa de nada, ele não pediu para nascer.’

Desde muito cedo o Paulo deixou-nos entregues um ao outro. A intenção era clara. Nós dois tínhamos que nos entender, criar as nossas regras. Ele só intervinha quando era mesmo necessário. É verdade que nem sempre conseguia ser imparcial (era o menino dele), mas houve muitas situações em que compreendeu a minha posição e contrariou o Melga.

Desde o início deixámos muito claro para o Melga que, em nossa casa, o Paulo era o Pai, o Melga era o Filho e eu era a ‘Mãe’. Houve algumas rotinas que quis mudar e tive que batalhar para as conseguir mudar. Nem sempre foi fácil, ainda ouvi algumas vezes a famosa frase ‘se ele fosse teu filho, não fazias isso’. Mas tenho a consciência tranquila. No meu relacionamento com o Melga tive sempre o cuidado de pensar ‘se ele fosse mesmo meu filho, como é que eu fazia’.

Acho que tive bons resultados. Quando havia TPC’s era para mim que o Melga se virava. Estava fora de questão ser o pai a cortar-lhe as unhas. Quando chegámos àquela fase em que já tomava banho sozinho, mas ainda era preciso ajuda para se limpar, era por mim que chamava a cantarolar ‘Ritita, a minha toalhita’.

Lembro-me de um dia estar a esfregar-lhe a cabeça durante o banho e termos esta conversa:

Melga: Sabes Rita, hoje a professora disse que os pais devem ajudar os filhos a fazer os trabalhos de casa.

Eu: Tem toda a razão. Assim os pais ficam a saber que matérias é que os filhos estão a estudar.

Melga: Tu também me ajudas a fazer os trabalhos de casa.

Eu: Pois! Quando estás cá em casa, ajudo.

Melga: Mas tu não és a minha mãe.

Eu: Pois não.

Ficámos um bocadinho em silêncio. Percebi que estava num dilema e não sabia como dar a volta ao assunto.

De repente levanta cabeça, olha para mim e disse: És quase minha mãe.

Despertador

IMG_20160423_080532.jpg

Devo ter sido muito má noutra encarnação.

Início de fim de semana prolongado e o bicho mia desde as seis da manhã.

Começou de mansinho, assim como quem não quer nada e foi aumentando de intensidade. Às oito da manhã estava assim, em cima da mesa de cabeceira já em modo sirene de bombeiros.

'Oh Rita, já pensaste pôr o gato fora do quarto e fechar a porta? Assim já conseguias dormir, certo?'

Errado! Além de miar desalmadamente, ainda arranhava a porta toda.

Não há condições. Pronto animal, venceste! 

Pág. 1/4

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Facebook

Follow

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D